Nos dias de hoje, as crianças têm acesso à televisão, smartphones, tablets e computadores desde muito pequenas.

Os dados indicam que aos 18 anos, uma criança europeia já tenha passado cerca de três anos da sua vida a olhar para os diferentes tipos de ecrãs. Com 80 anos, esta mesma pessoa já terá ficado cerca de 17,6 anos a olhar para os diferentes tipos de ecrãs.
Existem outros dados ainda mais alarmantes, na Inglaterra as crianças ficam em média 6,1 horas por dia, no Canadá 7,8 horas/dia e nos EUA 7,5 horas/dia.

A grande questão sobre todos esses dados é que existe uma associação crescente entre a quantidade de horas passadas em frente ao ecrã e o desenvolvimento de diabetes tipo 2, obesidade e doenças do coração.

O estudo da Investigadora Wijndaele , indicou que a cada 1 hora de ecrã por dia , existe um aumento de 6% no risco de doenças do coração fatais e não fatais, independente da idade, gênero, medicação, história familiar ou atividade física.

Mas isso é porque tantas horas a ver televisão deixam-nos sedentários?
Não só por isso. Os estudos têm mostrado que esse excesso de exposição, causa um aumento da pressão arterial e do mau colesterol, especialmente nas crianças e adolescentes. Também se sabe que a exposição a muitas horas de ecrã, leva a problemas hormonais como uma alteração na libertação da hormona cortisol, como se o organismo desse uma resposta semelhante ao estado de stress. Este estado de Stress pode levar ao consumo de mais alimentos, muito calóricos, muito embora o corpo não tenha sido exercitado.

Como equilibrar o contato das crianças com os ecrãs?

  1. Nós sabemos que muitos vídeos na internet têm sido destinados ao público infantil, até para bebês. Esses produtos “facilitam” muito a vida dos pais na correria do dia a dia, a fim de entreter os pequenos. Mas o que se sabe é que 8% do cérebro vai se desenvolver nos primeiros três anos de vida, sendo que este é o período mais vulnerável. A recomendação é que até a criança completar três anos a exposição aos ecrãs seja mínima ou nenhuma.
  2. Tirar as televisões dos quartos das crianças ajuda a reduzir o tempo de exposição a ecrãs.
  3. Programas de televisão com narrativas mais lentas e descritivas devem ser preferidos aos mais agressivos.
  4. E por fim, a família deve limitar a exposição da criança. Vejam as horas propostas para cada faixa de idade:

De 3 a 7 anos: meia a 1 hora/dia
De 7 a 12 anos: 1 hora/dia
De 12 a 15 anos: 1 hora e meia/dia
Mais de 16 anos: 2 horas/dia.

Sabemos que é uma tarefa difícil, mas se conseguirmos reduzir o numero de horas passadas ao ecrã, transformando esse tempo em horas de brincadeira, horas de jantar com a família, horas de atividades físicas e horas de relacionamento familiar, certamente estaremos alinhados com o grande objetivo de uma vida mais saudável e feliz.